domingo, 20 de março de 2011

CIANT DA LI CIAMPANIS (CANTO DOS SINOS)

Co la sera a si pièrt ta li fontanis
il me país al è colòur smarít.

Jo i soj lontàn, recuardi li so ranis,
la luna, il trist tintinulà dai gris.

A bat Rosari, pai pras al si scunís:
jo i soj muàrt al ciant da li ciampanis.

Forèst, al me dols svualà par il plan,
no ciapà pòura: jo i soj un spirt di amòur

che al so país al torna di lontàn.

Quando a noite se perde pelas fontes
a minha terra ganha mistura de cores.

Estou longe de lá, lembro-lhe as rãs,
a lua, o triste cri-cri dos grilos.

Toca para o Rosário, ecoa campos fora:
estou morto para o som dos sinos.

Forasteiro, o meu doce esvoaçar pelos campos
não temas: sou um espírito de amor

que à sua terra regressa de longe.

(Pier Paolo Pasolini, Roman Poems, City Lights Books, San Francisco, 1986, edição bilingue, tradução inglesa de Lawrence Ferlinghetti e Francesca Valente, p. 142. Versão portuguesa minha.)