quinta-feira, 12 de janeiro de 2006

Moinhos na poesia (4)

O inevitável, "Impressão Digital", de António Gedeão. Gosto dos dois últimos versos, acho as rimas dos outros por demais pobres. Por isso só cá deixo esses. Não é muito simpático, mas paciência.

Vê moinhos? São moinhos!
Vê gigantes? São gigantes!
in "Movimento Perpétuo", 1956