domingo, 6 de março de 2011

O Reboliço é um nefelibata (43)

(Hip-foto de um resto de relâmpago: Reboliço, atarantado a ver se apanhava um com o botão da máquina. Agarrou este bocadinho, a fuga da luz para trás das nuvens. Sábado à noitinha, de viagem  pela estrada de Mértola com o Cunhadão, a Mana e o pequeno Matias, a cerração da noite ia sendo interrompida, de 15 em 15 segundos, por um relâmpago. A trovoada circulava do mar para terra, da terra para o mar: zanzando, zanzando, rodando, rodando, rodando.)